O que é antifragilidade?

antifragileHá coisas que se destroem ao mínimo sinal de agitação, pressão, estresse ou contrariedade. Um vaso de porcelana, por exemplo, precisa ser transportado com muito cuidado para não sofrer avarias. O vaso é, portanto, frágil.

Por outro lado, há coisas que conseguem suportar toda essa contrariedade. Uma mesa de madeira maciça dificilmente se esfacelará, mesmo sob fortes forças contrárias. A mesa é, portanto, robusta.

Conceitualmente, vemos que o robusto não é exatamente o contrário de frágil. O frágil se enfraquece com o estresse, enquanto o robusto suporta o estresse. O oposto do frágil seria, portanto, aquilo que se fortalece com a aleatoriedade: o antifrágil. Por exemplo: as flores, como uma espécie, se fortalecem em cenários incertos. Ventos fortes espalham seu pólen; ventos fracos favorecem o espalhamento pelos pássaros; chuvas estimulam estimulam seu crescimento; sol lhes dá energia (via fotossíntese).

“Interessante rodeio léxico, caro Hacker… Mas como isso pode me ajudar a enriquecer?”

Esse conceito é forte o suficiente para não somente nos enriquecer, mas mudar radicalmente nossa visão sobre nós mesmos: nosso dinheiro, nossa saúde e nosso trabalho.

Como podemos aplicar nosso dinheiro para que nossos investimentos sejam antifrágeis?, ou seja, para que lucremos nas aleatoriedades e imprevisibilidades do mundo financeiro?

E o nosso corpo?, e o nosso trabalho?, como podem se fortalecer sob agitação, pressão, estresse, aleatoriedades?

Quem leu o livro Antifragile, de Nassim Taleb, já sabe a resposta. Quem não leu – e se não quiser se aventurar pelas suas 500 páginas de um inglês convoluto e sarcástico -, talvez se interesse pelos textos que publicarei nos próximos dias.

3
Deixe um comentário

avatar
3 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
0 Comment authors
Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
trackback

[…] texto anterior, discorri brevemente sobre a filosofia da antifragilidade, conceito introduzido por Nassim Taleb no […]

trackback

[…] a minissérie sobre antifragilidade – já falei sobre o conceito e como aplicá-lo aos investimentos -, vou tentar dissertar um pouco sobre como tornar a nossa […]

trackback

[…] Então, para a minha realidade, eu realmente preciso incluir dificuldades voluntárias para me antifragilizar, tal qual um lutador de taekwondo precisa, voluntariamente, levar pancadas na canela para […]